Assista ao Vídeo : delação de Marcelo Odebrecht revela plano soberano de Eduardo Cunha

O empreiteiro Marcelo Odebrecht, em acordo de delação premiada, disse ter se reunido com o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha para discutir estratégias que pudessem anular a Operação Lava-Jato. Uma das sugestões feitas pelo executivo foi contratar a empresa Kroll, especialista em espionagem – tese à época rechaçada por Cunha, mas colocada em prática tempos depois.

“Eduardo Cunha estava convicto de que uma das maneiras de levar nulidade à Lava Jato seria descobrir inconsistências na delação de Paulo Roberto [Costa, ex-diretor da Petrobras] ou [Alberto] Youssef. E uma delas [das inconsistências] seria achando contas no exterior que não foram anunciadas”, relatou Marcelo Odebrecht.

“Eu sugeri: ‘Por que vocês não contratam a Kroll?’ Ele disse: ‘Não vai se meter nisso não’. E aí a gente não deu sequência. Não sei se essa foi uma das razões implícitas ou explícitas que ele contratou a Kroll”, acrescentou o empreiteiro.

Na ocasião da reunião, o então presidente da Câmara vivia a expectativa de ser levado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelas mãos do procurador-geral Rodrigo Janot. A primeira “lista do Janot” seria apresentada semanas depois da reunião. Por força de Eduardo Cunha, o plano para melar a Lava Jato foi posto em prática. A Kroll foi contratada por decisão do presidente da CPI da Petrobras, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), e do sub-relator André Moura (PSC-SE). Oficialmente, o argumento usado foi o de que a empresa ajudaria a CPI a investigar os envolvidos no escândalo do petrolão. A Kroll foi usada para vasculhar contas bancárias e patrimônio no exterior de doze delatores da Operação Lava Jato. A tentativa de sabotar as investigações, no entanto, fracassou.

Fonte : Veja

você pode gostar também Os artigos deste autor

Comentários

Loading...