JornalPRIME
Notícias & Entretenimento

Com grupos no WhatsApp brasileiro lucra 15 mil mensalmente

Um “submundo” WhatsApp que pouca gente conhece , com grupos restritos para membros pagantes, uma única pessoa consegue faturar aproximadamente R$ 15 mil por mês.



0
Baixe o aplicativo do JornalPRIME É GRÁTIS.

Com o pagamento de R$ 10 por mês, os usuários pode escolher participar de até quatro grupos gerenciados por um rapaz conhecido por Galego e outras duas pessoas, que fazem a curadoria de conteúdo e divulgam para os membros. Imagens, notícias e vídeos dos mais variados temas costumam ser publicados para grupos de até 100 membros.

Os grupos geralmente são bem específicos e voltados para nichos interessados em assuntos variados. Existe um grupo que remonta técnicas utilizadas por motoristas e caminhoneiros de anos atrás para compartilhar informações sobre estradas e sobre a polícia rodoviária. Existe um chamado de “Fora PT”, onde conteúdo falando mal do Partido dos Trabalhadores é divulgado.

São mais de 500 grupos secretos onde, com a ajuda das outras duas pessoas, Galego consegue faturar um bom dinheiro. Ele é responsável por fazer tudo funcionar e controla todos os grupos.

Galego não quis revelar sua identidade para a reportagem para que as pessoas não fiquem com “olho grande” nele, embora garanta que o serviço oferecido é rentável e que muita gente o procura para participar de alguns desses grupos. O trabalho é levado a sério, como ele cita, e o que é levado para os participantes dos grupos passa por uma curadoria bem específica para que o que for divulgado esteja dentro dos padrões.

Olhando de cima, é como se uma única pessoa pudesse selecionar uma série de imagens, notícias, vídeos, entrevistas e outro tipo de conteúdo midiático para que outras pessoas tenham acesso facilitado. É como se Galego fosse uma espécie de feed mais específico e para poucas pessoas, e a facilidade de comunicação talvez seja uma das principais apostas.

E de onde surgiu a ideia? De acordo com a reportagem de Eden, Galego vendia CDs piratas na Feira dos Importados, no DF, antes de começar no mundo “underground” do WhatsApp. Ele supostamente recebia pedidos de pessoas para que passasse a vender CDs com “aqueles vídeos engraçados que rodam no zap-zap”, e então a ideia surgiu!

E, é claro, Galego deve ter muito trabalho para fazer a curadoria e enviar o conteúdo para os variados grupos com seus temas diferentes, embora seja algo que ainda valha a pena para ele.

Vale lembrar que o valor de lucros de Galego pode ter aumentado muito mais nos últimos meses, visto que a entrevista feita por Eden aconteceu em junho do ano passado.

Fonte : http://www.acidezmental.com/