homem usava seita demoniacas para estrupar adolescentes




Baixe o aplicativo do JornalPRIME É GRÁTIS.


Um caso que deixou perplexos moradores da cidade de Iranduba, na região metropolitana de Manaus (AM). Renato Fragata, de 30 anos, é suspeito de ter estuprado aproximadamente 70 adolescentes no Estado. Segundo o delegado Paulo Mavinier, ele usava uma seita satânica para atrair as vítimas. O homem foi preso na última terça-feira (9), em Parintins.

A ficha criminal dele por estupro começou há alguns anos, em Parintins. Lá, Fragata responde por cinco casos envolvendo garotas entre 13 e 17 anos. Até chegou a ficar preso, mas há três meses foi posto em liberdade. Solto, resolveu sair da cidade em que muitas pessoas já o conheciam e se mudou para Iranduba, onde trabalhava em uma olaria e dizia receber R$ 1.200 por mês.

Quando não estava trabalhando, ele ia para a porta de uma escola municipal para se aproximar de garotas com estilo gótico ou roqueiro, segundo Manivier, e as convidava para participar de uma banda. Algumas delas eram chamadas para fazer parte de uma seita satânica, comandada por ele.

homem usava seita demoniacas

As reuniões se davam no cemitério da cidade. Para serem membros, as adolescentes eram submetidas a um ritual de iniciação, como conta o delegado.

— Ele dizia que o primeiro passo era um duelo de orações de culto ao demônio, que ele pegava na internet. Quem tivesse a oração mais forte passava para a próxima fase e tinha que beber sangue de gato. O próximo passo era matar algum amigo. Mas elas tinham a opção de não fazer nada disso, se fizessem sexo com ele. Como uma espécie de transferência de energia. O pano de fundo era justamente conseguir sexo com as garotas.

O delegado conta que o suspeito se aproveitava de problemas sentimentais das jovens para convencê-las a fazer o que ele queria. As vítimas também eram aliciadas com promessas de presentes, como tablets e viagens.

Em um dos inquéritos, uma adolescente de 14 anos que estava grávida diz que Fragata praticou um aborto nela durante um dos rituais. O homem ainda teria praticado relações sexuais com ela após o episódio.

A Polícia Civil em Iranduba tem registro de 18 casos, além dos cinco de Parintins. Porém, em depoimento, os números são ainda mais assustadores, de acordo com o delegado.

— Ele relatou no interrogatório dele que em Parintins teve relações com mais de 50 garotas. Em Iranduba ele disse que foram aproximadamente 20.

Os investigadores tentam agora identificar as outras vítimas do maníaco. Ao menos três das jovens são menores de 14 anos, o que caracteriza o crime de estupro de vulnerável. A pena para esse tipo de crime pode chegar a 20 anos de cadeia.

Possivelmente avisado por uma das garotas sobre a investigação que estava em andamento em Iranduba, Fragata conseguiu fugir para Parintins antes de ter a prisão decretada. Na terça-feira, com a ordem da Justiça, ele foi capturado.

Agora, o suspeito da série de estupros cumpre prisão preventiva, ou seja, até a data do julgamento. Questionado pelos policiais, ele nega as acusações e diz que todas as relações sexuais foram consensuais.

fonte : r7.com

você pode gostar também Os artigos deste autor

Comentários

Loading...