Porque os pregadores de hoje em dia , gritão em suas ministração




Baixe o aplicativo do JornalPRIME É GRÁTIS.


Porque os pregadores de hoje em dia , gritão em suas ministração
Porque os pregadores de hoje em dia , gritão em suas ministração

É melhor ouvir as palavras calmas de uma pessoa sábia, do que os gritos de um líder numa reunião de tolos.” (Eclesiastes 9:17).

Crer-se ter sido Salomão o autor do livro de Eclesiastes, vimos neste versículo o autor promover uma relação entre a prudência e o volume da voz. Aprendemos que o texto nos ensina que, há uma relação direta entre a voz e o nível de equilíbrio emocional de quem fala.

Ao nos sentirmos encurralados por alguma coisa, e ao sermos afrontados, sem termos bons argumentos, não é difícil apelarmos para o grito, para o tom mais agressivo da voz, e ai é bom se lembrar da passagem “ouvir as palavras calmas de uma pessoa sábia” é reconfortante e construtivo.

O profeta Elias se encontrou desesperado um dia, fugindo da morte, porém desejando morrer, e a ajuda que obteve do Senhor não foi uma grande ventania, nem terremotos, nem chamas de fogo intensas.

Deus simplesmente restaurou o profeta através de uma “voz mansa e suave”.

Muito se vê nos dias de hoje líderes em púlpitos das igrejas que, gritam a plenos pulmões seus sermões, como se a sabedoria do Senhor pudesse ser influenciada e imposta pela eloquência simplória dos homens. O Senhor não quer “gritos de um líder” e sim a simplicidade, de uma mente capaz de absorver uma palavra genuína, que ao ser ministrada penetre o coração dos ouvintes não pelo tom de voz que está sendo imposta e sim pela essência do conteúdo dirigido pelo Espírito Santo para que esses ouvintes sejam convencidos de seu mal caminho, reconheçam que são pecadores e necessitam do perdão de Deus, que só pode ser alcançado por intermédio de crer em Cristo Jesus como Senhor e salvador de sua vida.
O Pai jamais recusa a voz que vem do íntimo daquele que demonstra “um coração quebrantado e aflito”.

E a palavra de Deus nos afirma “Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” (Salmos 51:17).

Então para que gritar? Quando o que basta é buscar dia a dia maior conhecimento, discernimento e intimidade com o Espírito Santo, pois assim Deus falará de forma poderosa, mansa, calma, penetrante e poderosa, ao coração de tantos que se encontram perdidos, e visitam tantas igrejas em busca de uma palavra de conforto, paz, e que leve diretamente a vida eterna. Precisamos falar mais sobre salvação, e não bater sempre na mesma tecla sobre os problemas, dinheiro, riqueza, o mundo precisa de Jesus Cristo, nada mudou em Deus, tudo passa e passará mesmo, mais a palavra do Senhor e sua promessa de perdão e salvação para todos que confessarem seu filho como Senhor e Salvador de suas vidas permanecerá até o ultimo dia. Amados, Jesus está voltando, já se passaram mais de 2.000 anos, quando no livro de Atos nos relata, “E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” (Atos 1:10-11).

Oh Maravilha! É real, esse acontecimento profético há de se cumprir um dia, e não podemos esperar para anunciar as boas novas, o evangelho de Jesus, que é graça, perdão, salvação, mudança de vida. Mais não precisa gritar, basta falar com propriedade sobre o que o Filho de Deus tem a oferecer a toda humanidade, sem discriminação de raça, cor, condição social, financeira ou pensamentos. Muitas vezes você pode ser contra atitudes de determinadas pessoas, mais não pode julgar seus pensamentos ou opiniões, apenas pregue, mostre que Jesus Cristo não é e jamais será religião, como costumo dizer “Seguir a Jesus não é religião, e sim convicção de vida Eterna”.

Quando tiver a oportunidade de subir ao Púlpito para pregar, peça a Deus uma palavra transformadora a quem ouve, como disse (Martyn Lloyd-Jones/teólogo protestante do século 20) “A pregação deve causar uma diferença tal no ouvinte, que nunca mais ele será a mesma pessoa”, e isso só é possível se a palavra que sair da boca daquele que fala seja totalmente direcionada pelo Pai, e atinjam os corações dos ouvintes de forma mansa e suave, e como brasas vivas do altar aqueçam os corações parra sempre.

Com amor da parte do Pai, Pregador Maurio Maciel – CPMV Brasília.

você pode gostar também Os artigos deste autor

Comentários

Loading...