JornalPRIME
Notícias & Entretenimento

Receber dinheiro para ministrar a palavra: é bíblico ganhar para pregar?

A pregação do Evangelho parece estar se tornando um grande 'business', para alguns pregadores o mais importante é fechar bons negócios, mas o que diz a Bíblia?



0
Baixe o aplicativo do JornalPRIME É GRÁTIS.

Uma coisa que incomoda muito os cristãos hoje em dia é o fato de alguns pregadores de renome, praticamente exigir um valor para comparecer em uma igreja e pregar, mas será que é certo cobrar para ministrar em uma igreja.

A realidade é que muitos pastores famosos hoje já estipulam um valor em dinheiro para comparecer em uma igreja e levar a palavra de Deus, segundo nossas pesquisas, existe até uma lista lista de pastores que cobram para pregar.

Talvez ‘cobrar’ nem seja a palavra ideal para ser usada, porém, muitos deixam claro, quando convidados por uma denominação que precisam de um determinado valor para para pregar a palavra, comparecem em um evento.

O que diz a Bíblia sobre receber dinheiro para ministrar a palavra, é bíblico um pastor ganhar para pregar?

Biblicamente, o assunto abre um leque de discussões, o que não se pode fazer é usar um versículo como justificativa para um pastor cobrar para pregar a palavra.

Na Bíblia, nenhum apóstolo estabeleceu cachê para anunciar Cristo, o apóstolo Paulo, apesar das tantas dificuldades vividas em seu ministério, que normalmente envolvem uma obra missionária, nunca exigiu da igreja uma parcela das ofertas, e, recebia de bom grado aquilo que lhe era doado.

A bem da verdade, nenhum dos apóstolos de Cristo jamais estipulou um valor para pregar a palavra de Deus, em nenhuma parte da escritura isto é visto.

Algum versículo fala que um pregador pode cobrar para pregar a palavra?
Um dos versículos usados, legitimar a cobrança por uma pregação, e: “Não atarás a boca ao boi, quando trilhar.” (Deuteronômio 25:4), pois aquela época, certamente, o boi amarrado ao moinho para debulhar cereais, tinha sua boca amarrada para não comer enquanto fazia o trabalho.

Na lei de Moisés, com certeza, a preocupação de Deus não era com o animal somente, mas também com os homens que trabalhavam no altar, acredita-se, com os levitas. Estes não tinham herança e viviam das ofertas, comiam do que era trazido como ofertas para a Casa de Deus.

Mas não é nossa intenção abrir uma discussão sobre o tema, poderíamos passas dias aqui discutindo e ouvindo justificativas, a verdada e que o trabalho na obra de Deus, se não for recompensado de alguma forma em valores, poderá levar a duas situações: a dedicação do pastor não será possível de ser exercida em tempo integral, precisará o mesmo ter que desenvolver uma atividade para sustentar sua família.

E, no caso dos itinerantes, que viajam por todo o Brasil teremos a situação do pregador ter que pagar para pregar na Obra de Deus, pois se não ganha nada pelo que faz, acabará pagando para fazê-lo, pois terá que arcar com todos os custos das despesas, como viagens, trajes, roupas, contas de celular entre outras coisas.

Na Bíblia, é correto um pregador cobrar valor em dinheiro para pregar o evangelho?

Mas como é dito em 1 Timóteo 6:7-9, que nos leva a refletir: “pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar;por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeito. Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição”,…

E pergunta que fica, é correto um pregador estipular o valor de sua pregação em uma igreja, ou deverá se contentar com as ofertas dos membros da igreja, como diz a Bíblia.