Servidores estaduais do RS receberão R$ 600 de salário na segunda-feira



Baixe o aplicativo do JornalPRIME É GRÁTIS.

[ad_1]

Extrato mostra dois depósitos, de R$ 500 e R$ 100 (Foto: Arquivo Pessoal)Extrato mostra dois depósitos, de R$ 500 e R$ 100
(Foto: Arquivo Pessoal)

Os servidores públicos estaduais do Rio Grande do Sul reberão na segunda-feira (31) apenas R$ 600 de salário. É o que mostra a previsão de depósitos em extratos bancários dos funcionários. Na imagem, é possível ver que, para o dia 31, estão programados dois pagamentos, um de R$ 500 e outro de R$ 100.

“Estamos sendo motivo de chacota para as pessoas, porque não podemos pagar em dia as contas. Não posso pagar em dia a escolinha da minha filha. Será que ela vai ser tratada de forma igual aos outros? Fora que ficamos no cheque especial. O servidor está muito desmotivado, com baixa autoestima”, diz um servidor da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), que não quis se identificar.

Procurada pelo G1, a Secretaria Estadual da Fazenda disse que só se pronunciará oficialmente na segunda-feira (31). Está prevista uma entrevista coletiva, quando o governo irá explicar o cronograma de pagamentos. É possível que o restante do dinheiro seja pago em outras três parcelas.

Para a semana, está prevista uma greve geral de quatro dias em protesto contra oparcelamento dos salários. Os serviços serão interrompidos entre segunda-feira (31) e quinta-feira (3).

De acordo com o presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos (Fessergs), Sérgio Arnoud, a paralisação foi determinada em assembleia geral unificada no último dia 18.

Os servidores públicos estaduais do Rio Grande do Sul realizarão na próxima semana uma greve geral de quatro dias em protesto contra o possível parcelamento dos salários dos funcionários do Executivo. Os serviços serão interrompidos entre segunda-feira (31) e quinta-feira (3).

No último dia 31, o governo anunciou o parcelamento dos salários dos servidores do Executivo em três vezes. A medida causou protestos e paralisações em todo o estado. No dia 11, entretanto, o governador José Ivo Sartori decidiu complementar o valor pendente e com isso adiar o pagamento da parcela da dívida com a União. No mesmo dia, o Tesouro Nacional bloqueou as contas do estado, conforme estava previsto no contrato. A situação só foi normalizada no dia 20.

Na tentativa de tentar amenizar a crise nas finanças do estado, o governo encaminhou à Assembleia Legislativa medidas que fazem parte do quarto pacote de ajuste fiscal. Entre as propostas, estão o aumento da alíquota básica do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e das alíquotas sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e bebidas, entre outros.

O aumento de impostos, caso seja aprovado pelos deputados, vai começar a vigorar a partir de 2016. Com isso, o governo gaúcho espera arrecadar cerca de R$ 1,9 bilhão a mais por ano, já descontado o valor repassado aos municípios, e tentar amenizar o rombo nas contas do estado, que este ano deve ser de R$ 5,4 bilhões.

[ad_2]

fonte : G1.globo.com


Deixe uma resposta

Your email address will not be published.