Publisher is the useful and powerful WordPress Newspaper , Magazine and Blog theme with great attention to details, incredible features...

[diario_shortcode template=”card_img” colunas=”4″ s=”internofolha” numero_de_parceiros=”4″ mono_post=”sim” colunas=”4″ top=”4″]

Saúde dos motoristas é tema de audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais; confira

A reunião foi conduzida pela Frente Parlamentar de Prevenção à Depressão

Uberaba, 23 de junho, por Aniele Lacerda, Jornal Prime – Foi realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), uma audiência pública, o tema abordado foi sobre a condição da saúde dos motoristas de Belo Horizonte e região.

A reunião, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), teve a condução da Frente Parlamentar de Prevenção à Automutilação, à Depressão e ao Suicídio em conjunto com a Comissão de Transporte, Comunicação e Obras Públicas. Segundo o relato dos participantes, a ausência de uma política que assegure melhores condições de trabalho para os profissionais da categoria, é a causa do aumento de doenças físicas e mentais.

Então leia também: 4 mil bolsas universitárias serão concedidas no estado de Goiás e web dispara “ano de eleição”

Resumo da audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais

O requerimento apresentado na ALMG é de autoria do deputado Charles Santos (Republicanos). O mesmo exibiu um vídeo com dados sobre a saúde dos motoristas, o levantamento é do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Belo Horizonte e Região (STTRBH). Segundo o apurado, mais de 16% dos profissionais sofrem de pressão alta, quase 15% estão com problema na coluna. Além disso, os que estão acima do peso chega perto da marca de 50%.

“Dependemos do transporte público, mas também precisamos que esses profissionais desfrutem de melhores condições. É um segmento que movimenta o Brasil”, afirmou o parlamentar. Então, o deputado ainda citou vários fatores que contribuem para a falta de saúde dos profissionais, entre eles as más condições das estradas e das ruas, a violência em alta e até o alto preço dos combustíveis.

Portanto, não deixe de ler também sobre: Comissão da Câmara de Uberlândia discute sobre regularização de assentamento

Em seguida, quem falou sobre o assunto foi o deputado Celinho Sintrocel (PCdoB). Ele afirmou que a categoria não tem apoio e as condições de trabalho oferecidas são precárias. De acordo com o parlamentar, a própria profissão já traz alguns efeitos negativos ao longo do tempo. Dentre eles a perda de audição e problemas na coluna.

Psicóloga do Sindicato fala sobre o assunto

Susan Rafaelle Soares Barbosa, psicóloga do Sindicato, falou sobre o tema tratado na audiência pública. De acordo com ela, a categoria é a terceira em número de doenças e afastamento. Além disso, é a quarta colocada no quesito de aposentadoria por invalidez.

Ela informou que muitos profissionais da classe, abusam do álcool e das drogas. Além disso, sofrem com várias doenças mentais, como depressão e estresse. “As empresas ainda olham o trabalhador como uma máquina”, conta ela.

Em seguida, a profissional revela que para mudar essas estatísticas negativas da categoria, é necessário que haja uma melhoria na qualidade de vida oferecida para esses profissionais.

Além disso, leia mais sobre: Prefeitura Municipal de Uberaba assina Carta de Intenções para o Projeto Geoparque Uberaba

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.